quarta-feira, 27 de julho de 2016

Quinoa: a semente dos incas


A quinoa começou por ser cultivada nas terras altas da América do Sul e agora ocupa um lugar de destaque à nossa mesa, como o "cereal dos incas". Versátil e rápida de cozinhar, pode ser servida como acompanhamento de carne ou de peixe, numa salada ou até numa sobremesa.
 title=
Foto Pixabay

A quinoa não tem glúten o que faz dela uma aliada perfeita na alimentação de celíacos.

Antiga e nutritiva

A quinoa desceu das alturas dos Andes, onde era cultivada por tribos indígenas há pelo menos 4 mil anos, e aterrou recentemente à nossa mesa, conquistando rapidamente inúmeros adeptos atraídos pela sua versatilidade e características nutritivas.

Esta semente de textura crocante, parecida com um cereal, esteve esquecida no seu próprio local de origem desde o século XVI, quando chegaram os espanhóis com os seus navios carregados de trigo e cevada. No entanto, é bastante mais interessante nutricionalmente do que aqueles cereais. Tanto que, atualmente, até a ONU a considera um dos alimentos mais completos, por ter todos os aminoácidos proteicos necessários ao organismo humano.

É que a quinoa, além de ser uma das melhores fontes de proteína vegetal, tem elevado teor de ferro, fósforo, cálcio, vitaminas do complexo B, fibras e ácidos gordos ômega 3 e 6. Recentemente descobriu-se que tem vários nutrientes antioxidantes, o que faz dela uma opção muito saudável em qualquer regime alimentar.

Há dezenas de variedades, mas são três as principais: a branca, a vermelha e a negra. A cor influencia o sabor – quanto mais clara a semente da quinoa mais suave é o sabor.

Guarde a quinoa num local seco e fresco, não exposto à luz solar. Pode conservá-la entre 3 a 6 meses, num frasco com tampa.

Como cozinhar

Lave bem a quinoa antes de a cozinhar. A melhor forma de o fazer é colocar a quantidade desejada de quinoa num recipiente alto e cobrir com água, depois mexer e coar, e finalmente repetir o processo 2-3 vezes de modo a remover as substâncias que revestem as sementes (saponina), que lhe podem dar um travo amargo.

Sendo um pseudo-cereal – tecnicamente é a semente de uma planta da família do espinafre, chamada Chenopodium quinoa -, é confeccionada como um cereal. Cozinhar no dobro da água por 15 minutos. Se quiser dar um aroma torrado à quinoa, “frite-a” uns minutos na frigideira ou na panela, antes de a cozinhar, como se faz com o arroz.

Assim que a quinoa estiver cozida, os grãos ficam translúcidos e soltam uma espécie de “fio” na extremidade. Ainda na panela, solte-a com um garfo.

À mesa

• Além de acompanhamento, pode usá-la para enriquecer uma salada, fazer um tabbouleh (um prato libanês), um hambúrguer vegetariano, ou rechear uma abóbora ou beringela. Há até quem tenha a ousadia de fazer sushi com quinoa, e não é que resulta?

• Para um toque ainda mais exótico e doce, combine a quinoa com fruta fatiada, sementes de linhaça e um fio de mel, para um acordar cheio de energia.

• Pode também usar farinha de quinoa para fazer massa de bolos, tortas, pães ou biscoitos. O seu paladar é delicioso.

Sabia que?

• Peru, Chile e Bolívia são os principais países produtores, e, mais recentemente, o Canadá e os EUA ensaiaram pequenas produções

•  No Peru, a quinoa fermentada com millet (milho-painço) é usada para fazer uma bebida semelhante à cerveja, chamada chicha

•  Os exércitos incas aguentavam dias a comer apenas “bolas de guerra” feitas com quinoa e gordura


Fonte: Pingo Doce

Até a próxima